(Comunicado) A cinco anos do encarceramento de Maria, Eduardo, Teto e Antom, QUEREMO-LAS NA CASA!

Nestes dias cumprem-se 5 anos das detençons e encarceramentos dos companheiros e companheira Maria Osório, Roberto Rodriguez, Antom Santos e Eduardo Vigo.

Cinco anos incumprindo-se sistematicamente os seus direitos humanos e fundamentais, desde o momento mesmo das suas detençons. Cinco anos de denúncia também sistemática desde Que Voltem Para a Casa desta situaçom: das detençons incomunicadas em todos os casos, medida que segundo os organismos de Direitos Humanos das Naçons Unidas teria que estar proibida; do segredo de sumário sistematicamente aplicado às companheiras e companheiros detidas/os por motivos políticos, que debilita sériamente o seu direito à defensa efeitiva; do papel de tribunal de excepçom que a Audiencia Nacional joga nos processamentos políticos dos companheiros e companheiras; da aplicaçom da medida política ilegal da dispersom penitenciária; do régime penal fechado ao que estam submetidas/os os presos e presas independentistas galegas, e a súa qualificaçom em primeiro grao e FIES; das condiçons de vida e o tratamento arbitrário às que som submetidas as companheiras e companheiros em prisom…

Para famílias e amizades, cinco anos jogando-se a vida cada fim de semana nas estradas, percorrendo centos de quilómetros para poder visitalos durante quarenta minutos. Mais de 830.000 quilómetros som os que levamos percorridos estes cinco anos, o equivalente a dar a volta ao mundo 20 vezes. Cinco anos de sofrimento e esgotamento físico, psicológico e também económico.

Para Teto, Edu, Antom e Maria, cinco anos afastadas/os da súa terra, cinco anos de angustia cada fim de semana pensando na viagem que tenhem que afrontar os seus seres queridos para poder partilhar uns poucos minutos com eles. Cinco anos submetidas às condiçons que se lhes aplicam nas prisons, isoladas, castigada, cinco anos tratando de afundi-los/as baixo os seus muros.

Mas também, para todos e todas -famílias, amizades, solidários/as, presos/as- cinco anos de luta, de denúncia, de sobreponher-nos às adversidades e superar os obstáculos que nos ponhem no caminho. Cinco anos sumando apoios, cinco anos de solidariedade, criando laços e redes entre nós, cinco anos fazéndo-nos fortes porque nom contemplamos a derrota como opçom.

Hoje, cinco anos despois das detençons de Maria, Teto, Antom e Edu, desde Que Voltem Para a Casa queremos transmitir o nosso firme empenho em continuar com esta luta, e reiteramos as nossas exigências:

  1. A derrogaçom da legislaçom antiterrorista que provoca o desamparo judicial e a indefensom das persoas detidas.
  2. A posta em marcha de todos aqueles mecanismos jurisdicionais e protocolos que garantam a integridade física e psicológica das pessoas durante as detençons.
  3. A derogaçom da jurisdiçom excepcional da Audiencia Nacional e o juízo das pessoas processadas por um tribunal territorial ordinario.
  4. A desativaçom da legislaçom de excepçom imprópria dum Estado que se di “democrático”, com a fim de evitar o uso sistemático da prisom preventiva, do 1º grao penal, mais do regime FIES.
  5. Traslado dos presos e presas políticas galegas a um centro penal situado na Galiza, rematando deste jeito coa medida ilegal da dispersom e evitando o seu desarraigo social e cultural.
  6. Umhas condiçons de vida dignas e humanitárias dentro das prisons.

E mais umha vez berramos: nom vamos parar até TRAZE-LAS DE VOLTA PARA A CASA!!!

QUEREMO-LAS NA CASA!!!

x-marcha-as-cadeias2