Crónica da X Marcha às Cadeias.

Mais um ano, e já vam dez, dúzias de solidários e solidárias partiam de distintos pontos da Galiza aos Centros Penitenciários onde mantenhem afastadas, baixo a ilegal política  da dispersom penitenciária, às presas 12540570_1147068145304369_5128273711580471208_nindependentistas galegas.

2894 quilómetros percorridos entre a Coluna Norte e a Coluna Sul, quilómetros de distáncia, mas tamém de solidariedade, emoçom e carinho; quilómetros que com a Marcha percorremos cada ano, sendo conscientes do que supom estar tantas horas dentro dum autocarro, dos perigos da estrada (acentuados nesta época do ano), do frio, do escasso espaço do que dispos para te acomodares… mas sabendo tamém que dentro desses autocarros vas encontrar gente solidária, disposta a ceder-che o seu abrigo se tiveres frio, a conversar se nom conseguires dormir, ou a partilhar o sande se tiveres fame… e sabendo também que, a pesar  de todas as incomodidades, na viagem de volta nom vai ser o frio nem o cansaço a sensaçom que tenhas, mas a calor e a energia que se cria nestas viagens de luita e solidariedade.

Na coluna Sul a solidariedade fijo-se presente desde o ponto de partida: devido a umha confusom com as datas, algumhas das solidárias que tinham previsto assitir à Marcha nom contavam com sair na noite da sexta-feira, mas na do sábado. Assi que, ante a chamada de aviso de que estávamos a chegar às súas paradas para @s recolhermos, muitas delas nom o duvidárom e acudírom sem ter tempo para preparar nada. Já nos autocarros, o resto das pessoas que viajavam, ao se decatarem da situaçom, nom duvidárom em compartilhar todo o necessário para ninguém ter falta de nada.

Entre conversas, sonecas e brincadeiras transcorrérom as viagens das colunas Norte e Sul, sem outros incidentes queIMG-20160119-WA0012 a neve, a chuva ou o frio.

Quando a Coluna Norte chegou a Dueñas, já havia alguém a esperar por ela, e desta vez nom eram fardados… Um solidário basco  (Izar Gorri, obrigadas!! 😉 ), que estava ao corrente da Marcha, “achegou-se” até Palencia a receber às companheiras e apoiar-nos tamém com a sua presença e os seus berros em Dueñas, Villanubla e Mansilla.

Ainda que a Guardia Civil identificou a todas as pessoas que viajavam no autocarro (também aos condutores), solidário tamém foi o recebimento que @s companheir@s do coletivo “Cuarto Grado” ,Pucela (identificadas também pola Guardia Civil),  lhes dérom às companheiras da Coluna Norte. Aguardavam por elas às portas da prisom de Villanubla com um caldo, tal e como já figeram no ano passado. Obrigadas mais umha vez desde Que Voltem Para a Casa!DSC_0016

A Coluna Sul tivo um recebimento menos agradável à súa chegada à prisom de Zuera, em Saragoça. Depois de 12 horas de autocarro, a Guardia Civil identificou a todas as pessoas que viajavam no autocarro e revisárom, umha por umha, cada faixa e cada saca da porta-bagages. Depois de nos ameaçar com que se escuitavam petardos ou viam bengalas nos denunciariam, deixárom que seguíssemos o nosso caminho até a porta da prisom.IMG_20160116_102622

Umha vez juntas as colunas em Mansilla de las Mulas (León), ainda que com menos tempo do esperado, solidárias dum e doutro autocarro aproveitárom para se saudarem e falarem um pouco entre apertas, sorrisos e beijos. Depois, partimos cara a prisom onde se encontra Maria, à que puidemos ver e escuitar de novo, erguendo o punho por trás dos barras, e fazendo ondear umha bandeira galega. DSC_0250 - CopiaTal e como aconteceu no ano passado, foi esse o momento mais emotivo da marcha, o que dotou dum sentido concreto e tangível os milheiros de quilómetros percorridos.

Tras berrar contra a dispersom e as políticas de excepçom às que som submetidas as nossas companheiras, e fazer soar gaitas e tamboris (obrigadas,  músic@s solidárias que nos acompanhastes!) emprendimos caminho de volta, cansas, mas reconfortadas e com muita força para seguir trabalhando e luitando sem trégua. Porque estamos seguras de que só com a força desta solidariedade vamos derrubar os seus muros. Que só se nos mantivermos firmes e unidas nesta luta vamos trazê-las de volta para a casa. E sabemos que o vamos conseguir.

Video-Crónica X Marcha às Cadeias por Galiza Contrainfo

2016: DERRUBAR OS SEUS MUROS. TRAZE-LAS PARA A CASA!